quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Sublimação

Nem toda a poesia do mundo pode comparar a sublime forma de onde vem minha inspiração e meu deleite. Sempre a alimentar meus luxuriosos e inevitáveis desejos. Se um dia inspirou medo e vergonha, agora convida-me à segurança e, sem exagero, ensina-me o verdadeiro prazer. De um jeito vagaroso e intenso, com seus olhos fixos na paixão do momento. Calafrios envolvem meu corpo ao lembrar do êxtase proporcionado. Saboreio a tradução de tal sentimento sabendo que tornará a se repetir, como um ciclo viciante e arrebatador que não deve nunca parar.

4 comentários:

j.newlands disse...

do jeito que você descreve, parece o tipo de prazer que transcede a barreira do corpo.

Iara disse...

MEU DEUS!!!
(aquela voz...)
CHO CA DÍS SI MA!!!!

Renaud disse...

profundo e bonito.

:)

José disse...

sério o nome devia orgasmo, isso sim!